[Resenha] The Ghost and the Goth, de Stacey Kade


Alona Dare é a típica garota americana popular. Como ela mesma diz, é loira, líder de torcida, tem um corpo perfeito, milhões de pessoas que se matariam para ser ela e um namorado no time de futebol. Já Will Killian é outro esteriótipo: gótico, antissocial, perdedor, humilhado pelos populares. Mesmo assim, os dois acabam tendo que conviver um com o outro, para o melhor de ambos.

O livro é muito divertido! Cada capítulo temos um dos dois narrando a história e pode crer    são ótimos narradores. Ambos têm aquele jeitinho meio mal-humorado e sarcástico de ver as coisas e têm uma história por trás de serem como são. As melhores partes eram eles se provocando, mesmo que isso soe extremamente clichê (e que todos nós saibamos no que todo esse aparente ódio se transforma). Aliás, nós vemos como eles crescem no livro, principalmente Alona. Ela passa de uma menina quase que fútil para alguém que aprende a se importar com os sentimentos dos outros. E Will... Ele finalmente começa a lidar com o sem dom,  aceitá-lo. Falando nele, mas que garoto perfeito pra mim! Ele é exatamente o estilo de menino esperto e sarcástico que todos se encantam. A verdade é que, no final da leitura, na minha cabeça ele era muito mais bonito que o da capa    uma coisa à parte, muito alegre e fofa! Uma das primeiras coisas que me chamou atenção para o livro.

Falar sobre esse tipo de coisa    fantasmas    é muito comum na literatura, ainda mais nos young adult. Porém, na minha opinião, é bem difícil conseguir explicar a coisa de uma maneira certa e, mais difícil ainda, conseguir finalizar a história    afinal, se tem um fantasma na história, ou alguma coisa muito bem bolada acontecerá, ou ele sumirá, uma hora ou outra, certo? E The Ghost and the Goth conseguiu falar disso bem, pelo menos para o primeiro livro de uma trilogia.

Além dos dois protagonistas, o que eu gostei foi que nós vemos pequenas histórias criadas, que envolvem um dos dois e algum de seus amigos, parentes, etc. Por exemplo, nós vemos a amizade entre Will e sua amiga, que está sempre presente (mas desconhece seu segredo), temos algumas pistas do que aconteceu com a terceira menina do trio. Já na parte de Alona, vemos que, por trás de todos aqueles esteriótipos, tem uma menina que lutou muito para estar na posição que estava. E não foi fácil, pois Alona tem uma família completamente desestruturada    seu pai a abandonou e sua mãe é uma completa alcoólatra. Os problemas na família, aliás, acaba por uni-los, já que o pai de Will morreu há um tempo e, desde então, ele não tem com quem desabafar    seu pai também conseguia ver os mortos e o ajudava com isso.

O que me impediu de dar cinco estrelas, no entanto, não foram os personagens. Foi um pouco do plot, que não é muito criativo    claro que o jeito que a Stacey conta a história compensa, mas de qualquer forma    e o fato de que, no final das contas, não ficou muito claro contra o que Will e Alona estão lutando    uma massa de energia do mal? Só?

Mesmo assim, eu recomendo muito o livro! Ele é fofo, é engraçado, possui comentários ácidos e inteligentes e você certamente vai acabá-lo com um sorrisinho na cara.

P.S.: A coleção é, aparentemente, uma trilogia, e os outros dois livros se chamam Queen of the Dead e Body & Soul.
+ Favorito

(Quatro estrelas)


Autor(a): Stacey Kade
Editora: Hyperion (Book CH)
Ano: 2010
Páginas: 288 

Nome original: -
Coleção: The Ghost and The Goth, #1

Um comentário:

  1. A capa desse livro é uma graça, gostei muito, e com certeza está na minha lista de desejados, sua resenha me deixou curiosa. Parabéns.

    Beijos

    Passa lá =]
    www.viagem-imaginaria.blogspot.com

    ResponderExcluir

Comente aqui o que achou da postagem. Não seja tímido, pode falar o que vier a cabeça (desde que não seja coisas, você sabe, idiotas, racistas, etc).
Aproveite.