[Resenha] A filha da minha mãe, de Maria Fernanda Guerreiro


Mariana acaba de de descobrir que está grávida. Ela deveria estar borbulhando de alegria, no entanto, os sentimentos são muito confusos e são causados por um misto de acontecimentos do passado. Sua mãe, Helena, de uma personalidade muito forte, nunca demonstrou muito o seu amor para a filha e, várias vezes, as duas discutira m e parecia que quase sempre estavam brigadas.

A gravidez faz com que ela se lembre da própria mãe e com isso, somos levados à infância de Mariana e seu irmão, Guga. Com ela como narradora, vamos vendo sua vida passando, desde criança até se tornar a mulher que é. Realmente, conhecemos sua história, seus problemas, suas tristezas e alegrias. Uma das coisas que mais gostei nessa narrativa criada pela Maria Fernanda é que eu realmente me senti como se uma amiga estivesse me contando sua história. A Mariana nos faz nos sentirmos à vontade, como se fosse uma antiga conhecida nossa, e eu gostei muito disso.

A história também é muito interessante. É a história de uma mulher comum, mas eu gostei bastante da forma como ela foi contada. Eu até estava curiosa com o livro, porque a relação "mãe e filha" é muito complicada, mas se for bem contada, pode ser um tema muito legal. E foi isso que aconteceu: por mais conturbada que fosse a que existia entre a Mariana e a Helena, era algo realista. A gente conseguia ver isso acontecendo, ainda mais porque eu acho que deve acontecer mesmo.

"Eu acho bonita a fé. Essa necessidade de criar alguém que nos criou. Esse amor incondicional. Ninguém ama Deus se ele fizer ou não alguma coisa. Nesse sentido, parece que Deus é até mais filho que Pai." (pág. 141)

Além disso, a história em si foi boa. Eu não sabia exatamente o quê esperar, mas gostei do que li. Além do tema principal, algumas outras histórias foram criadas e eu gostei bastante delas, porque davam um toque especial à história como um todo. O pai da Mariana, Tito, e sua proximidade com a filha, por exemplo, foram um dos maiores problemas entre a Helena e ele - e entre ela e a própria filha. Guga, o irmão da Mariana, também tinha seus próprios problemas, que na verdade me surpreenderam, porque eu não esperava nada disso.

Por todos esses motivos, esse é um livro que eu recomendo. Ele tem sentimentos e uma ótima escrita, além de falar de um assunto muito presente na nossa vida. Aliás, parabéns à Maria Fernanda pela ótima história criada e que venham muitos outros livros tão bons ou melhores que esse!
 
 
(Quatro estrelas)

Autor(a): Maria Fernanda Guerreira 
Editora: Novo Conceito 
Ano: 2012 (Brasil - Original) 
Páginas: 272 (Brasil - Original) 
Nome original: - 
Coleção: - 

2 comentários:

  1. Devo confessar que de todas as resenhas feita por vc, essa foi uma das melhores, pude sentir a leveza e o sentimentos que foram colocados na resenha.... Simplesmente fantástico! Depois de uma bela resenha minha vontade de ler este livro aumentou! rsrsrs Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. O livro me pareceu muito bom, cheio de intrigas e confiança!Dizem que é um drama bom e que emociona, que conta em um livro parte de histórias reais, e incentiva muita gente a perdoar.

    ResponderExcluir

Comente aqui o que achou da postagem. Não seja tímido, pode falar o que vier a cabeça (desde que não seja coisas, você sabe, idiotas, racistas, etc).
Aproveite.